Em entrevista ao Jogo Aberto, vereador Fogaça fala de ações do mandato, política, gestão Hildo Chaves e sobre bastidores do Legislativo


O vereador Everaldo Fogaça (Republicanos) foi o entrevistado da edição desta sábado 21 do programa Jogo Aberto, transmitido pela Rede Ativa FM, sob o comando do apresentador Jotta Júnior. Com uma hora de duração, a atração deu oportunidade para uma conversa franca e ilustrativa entre o político e o radialista, com muitos assuntos tratado no programa.

O primeiro bloco foi dedicado a questão da organização dos legislativos municipais de Rondônia, que dias atrás passou por um momento decisivo, com a eleição da nova diretoria da Ucaver (União das Câmaras de Vereadores de Rondônia), que teve participação ativa de Fogaça. A chapa do porto-velhense perdeu por seis votos, mas o processo foi produtivo para a entidade, que depois do pleito proclamou a união de todos para o bem dos Municípios do Estado.

“É importante o fortalecimento desta entidade, posto servir para dar suporte aos mandatos parlamentares municipais, particularmente no que diz respeito a formação, qualificação e fortalecimento das Câmaras, melhorando a qualidade dos serviços prestados. Como presidente da Comissão de Justiça e Redação da Câmara de Porto Velho, entendo que tal apoio é fundamental para que o Legislativo possa realizar a contento suas funções”.

Ainda sobre a função parlamentar, Fogaça destacou que a produtividade da Câmara Municipal da capital é “satisfatória”, e que percalços do início do mandato, muitos gerados pela ampla renovação do Parlamento, já foram superados.

No bloco seguinte o assunto foi a política nacional. Sobre o assunto, o vereador falou que preocupa a situação atual do país, com o presidente enfrentando uma série de problemas, principalmente no que diz respeito as relações institucionais com o Judiciário, algo que ele não considera positivo.

Fogaça também não concorda com a conduta do presidente, “quer busca criar fatos e narrativas diferentes todos os dias, como uma cortina de fumaça para que os problemas do país sejam evidenciados”.

Ele acrescenta que “o fato é que não se vê mais a fartura de outros tempos, ninguém consegue nem fazer seu churrasquinho de fim de semana, o gás custa 10% do salário mínimo, e na Câmara Municipal a gente vê o reflexo dessa miséria, com todos os dias inúmeras situações desesperadoras sendo levadas até nós com apelos para resolução. Os grandes produtores estão bem, mas o povo está na miséria”.

Ele ainda comentou que a reforma política aprovada na Câmara não deve passar no Senado, e que é provável que os deputados derrubem o veto do presidente sobre o “fundão eleitoral”, o que sugere um semestre ainda bem atribulado em termos de política institucional.

A entrevista foi bastante prestigiada por ouvintes, e entre ele o ex-deputado federal Lindomar Garçom, presidente estadual do Republicanos, se manifestou, e teve sua atuação na campanha eleitoral passada destacada por Fogaça: “ele foi um guerreiro, que teve participação fundamental no sucesso de nossa nominata”.

E, no bloco seguinte, o vereador voltou a falar de seu correligionário, quando elencou ações do mandato que vem desenvolvendo ao longo destes primeiros meses de legislatura. “Tem muita emenda encaminhada por Garçom que estamos fazendo acontecer, como por exemplo a cobertura da piscina e construção de cozinha no Centro de Convivência do Idoso”, frisou.

E falando das ações, Fogaça explicou que resolveu adotar um sistema de trabalho a partir da divisão das tarefas por etapas, começando pela Zona Leste e Baixo Madeira, e agora partindo para a Zona Sul. “Mas temos o nosso gabinete virtual funcionando a pleno vapor, captando demandas por toda a cidade, além de um corpo de assessores distribuídos pela capital”.

Ele falou que neste início de mandato já foram atendidas situações em bairros como Candelária IV, Marcos Freire, Ronaldo Aragão – incluindo o setor chacareiro, São Francisco, Airton Senna, todos na Zona Leste, assim como no Calama e Agrovila Rio Verde, no Baixo Madeira. “Foram ações voltadas ao setor de infraestrutura e iluminação pública, principalmente”.

Agora o trabalho prossegue pelo Três Maras, Teixeirão, Planalto II e muito mais. Sobre as emendas de Lindomar, o vereador acompanha de perto o desenrolar da pavimentação Da Rua José Amaro dos Reis, ligando com a Avenida Mamoré; e na Nilton Azevedo, ligação do Marcos Freire com o Parque Amazônia. Também serão asfaltadas quatro ruas do bairro Planalto II, incluindo a Avenida Eduardo Campos.

Para o mês de setembro, Everaldo terá importante audiência com o prefeito Hildon Chaves (PSDB), ocasião em que levará ao Chefe do Executivo a situação dos condomínios populares da cidade, alguns com mais de 15 anos de existência, que carecem com urgência de obras de recuperação de vias públicas e de sistema de iluminação, entre outras ações. “Há meios legais para o Município intervir nestas localidade, através da SEMOB e ENDUR, e tenho certeza que o prefeito irá se sensibilizar com a situação precária em que estão vivendo milhares de porto-velhenses”, frisou.

Fechando a entrevista, o vereador falou sobre a evolução do prefeito Hildon Chaves como administrador e político: “em seu discurso de posse do segundo mandato ele admitiu que demorou a compreender a dinâmica das relações entre os poderes, e que hoje sabe que depender de uma boa afinidade com a Câmara de Vereadores e com as bancadas nos legislativos estadual e federal para o desenvolvimento de suas ações. E ele está avançando, e só para ficar num exemplo, a grande quantidade de frentes de trabalho pavimentando vias urbanas este ano, num total de mais de 100 quilômetros, confirma a expertise que ele adquiriu com a experiência do primeiro mandato. O prefeito vai bem, ele abriu as secretarias para os vereadores, é receptivo às demandas que apresentamos, e quem ganha com isso é a população de Porto Velho”, encerrou Fogaça.

Fonte: Assessoria Portal364

Postar um comentário

0 Comentários