Mais um caso em Cacoal; servidora acusa Fúria de assédio


DIVERSOS CASOS SEMELHANTES FORAM DENUNCIADOS ANTERIORMENTE NO MUNICÍPIO

Porto Velho, RO Uma professora da rede municipal de educação, lavrou na data de ontem à tarde (25-07) um Boletim de Ocorrência contra o prefeito Adailton Fúria, na Delegacia de Polícia de Cacoal.

Segundo o relato, a servidora estava participando de um curso de formação, que estava acontecendo no prédio do Teatro Municipal de Cacoal, junto com vários outros colegas professores, quando o prefeito e sua esposa se adentraram no recinto, e o mandatário municipal a inquiriu, em alto e bom tom, na presença de todos os seus pares, se ela tinha sido a responsável pela denúncia relacionada a Escola José Mauro de Vasconcelos. ( Refere-se a uma denúncia de que o prefeito estaria se utilizando do serviço público para fazer campanha deliberada para os pré-candidatos a deputados Cássio Góis e Joliane Fúria, sua esposa, chegando a ter ido a escolas e pedido votos a comunidade nestes estabelecimentos na presença dos seus apadrinhados)

A servidora teria respondido não ser a responsável pela denúncia, mas mesmo assim foi ameaçada pelo prefeito de ser expulsa do serviço público, caso fosse constatado que ela teria sido a autora da representação sobre o abuso do poder no processo pré eleitoral.

A professora denunciante disse a redação do Portal Estado de Rondônia que já havia sido assediada antes pelo prefeito, pois assim que ele assumiu o cargo, a fez peregrinar por diversas lotações da administração, sendo transferida de região em região, de departamento em departamento, impedindo que conseguisse estabilizar sua vida profissional.

A servidora disse à polícia, que presenciaram as agressões no teatro municipal, os professores Cícero e Maria José Salomão, além de vários outros que não se recordava ao momento da ocorrência.

A servidora também disse que chegou a contatar o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos do Município, SINSEMUC, mas "Fernando disse para ter paciência com o prefeito que ele está descompensado".

Desde meados de 2021, primeiro ano de mandato do prefeito, tem se avolumado as denúncias de assédio moral, e até sexual no âmbito da administração municipal, tendo havido dezenas de reclamações nesse sentido.

Segundo fontes ligadas à área de saúde, vários servidores precisaram de ajuda e tratamento psicológico em razão de pressões relacionadas ao trabalho na prefeitura.

A própria Secretária de Assistência Social nomeada pelo prefeito, Michele Pavan, juntamente com seu esposo, chegaram a denunciar publicamente, ter sido vítima de fato que consiste em assédio moral.

A então secretária chegou a ficar com o corpo e rosto desfigurado em razão do abalo psicológico, e esteve internada em Cuiabá para tratamento.

Na última semana, uma ex servidora do SAAE denunciou à Policia Civil ter sido vítima de Assédio Moral e sexual enquanto em serviço na autarquia, e que esse assédio teria tido desdobramentos mesmo depois de ter deixado o SAAE e voltado para casa de seus pais em outro estado da federação.

Segundo informações apuradas pelo E.R. há outros casos de Assédio, no âmbito do serviço público municipal, que, ou estão em apuração na delegacia, ou judicializados, tanto na Justiça Cível, quanto na Justiça do Trabalho, já que parte dos servidores atuam sob o regime estatutário, e outra parte comissionada, estando sob o regime celetista.

Entramos em contrato com o Prefeito Adailton Fúria para que se manifeste sobre as acusações feitas pela servidora, mas até o momento da publicação desta matéria ele não havia respondido. Caso haja resposta atualizaremos a notícia.




Fonte: Estado de Rondônia
Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem