Sedam promove treinamento com servidores para execução do Programa de Monitoramento da Biodiversidade

Durante o curso foram apresentadas noções básicas sobre Biodiversidade, Conservação e Meio Ambiente

Porto Velho, RO - Em mais uma ação voltada à proteção da biodiversidade, o Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental – Sedam, com ações da Coordenadoria de Unidades de Conservação – CUC, realizou na última semana, o treinamento de servidores para a realização do Programa Nacional de Monitoramento da Biodiversidade – Monitora, realizado no Parque Natural de Porto Velho. Esta ação tem o apoio do Programa de Áreas Protegidas da Amazônia – Arpa, e atualmente é desenvolvido em oito unidades de conservação no Estado de Rondônia.

O “Monitora” é um programa institucional de longa duração, voltado ao monitoramento da biodiversidade e serviços ecossistêmicos associados, como subsídio à avaliação da efetividade de conservação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação – SNUC, para adaptação às mudanças climáticas e ao uso e manejo da biodiversidade nas Unidades de Conservação – UC, geridas pelo ICMBio e Estaduais, bem como às estratégias de conservação das espécies ameaçadas de extinção e controle das espécies exóticas invasoras, em todo o território nacional.

De acordo com o responsável pelo curso, Thales Quintão, que é coordenador adjunto do setor de Unidades de Conservação da Sedam, o principal objetivo é fazer um treinamento de monitoramento com conhecimentos teóricos e práticos sobre as técnicas de monitoramento biológico. O curso foi realizado pela CUC e contou com a participação de 15 servidores.

Uma das principais propostas do programa “Monitora” é integrar o conhecimento técnico-científico ao conhecimento tradicional. A partir desta interação é possível envolver diferentes experiências na gestão da biodiversidade.

Programa Nacional de Monitoramento da Biodiversidade foi tema do treinamento ministrado por técnicos da Sedam

No primeiro dia de curso foram mostrados os protocolos para monitoramento dos indicadores do programa, sendo: mamíferos (grande e médio porte), plantas lenhosas (arbóreas e arborescentes), aves selecionadas e borboletas frugívoras. “Durante o treinamento foram ministradas algumas técnicas para o monitoramento da biodiversidade. Além dessas atividades realizamos uma saída a campo para que os servidores tivessem contato direto com algumas técnicas de amostragem dos grupos alvos apresentados”, explicou Thales Quintão.

Na atividade prática para amostragem de borboletas, a consultora apresentou os materiais necessários para montagem das armadilhas e durante a amostragem, a identificação das borboletas foi realizada utilizando o Guia para Identificação de Tribos de Borboletas – Amazônia. Durante o curso, foram capacitadas dez pessoas que apoiarão a gestão na realização dos próximos monitoramentos.

ATIVIDADES

Ao chegarem em suas unidades de conservação, os participantes do curso vão atuar como multiplicadores de informações e farão os arranjos locais para implementação do programa. O coordenador adjunto destaca, também, a necessidade de envolvimento das comunidades locais para o Monitoramento Participativo de Base Comunitária. Neste caso, o objetivo é estimular o envolvimento dessas comunidades com as unidades de conservação. .
Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem