Banco de Leite Santa Ágata é destaque no atendimento a bebês prematuros internados na UTI neonatal do Hospital de Base

Nos primeiros três meses de 2022, o Banco de Leite Santa Ágata atendeu a 5.439 mulheres

Porto Velho, RO - Uma vez por semana a equipe do Centro de Referência em aleitamento materno, vinculado ao Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro – HB vai até a casa das doadoras para buscar o leite humano coletado por elas e destinados às crianças de alto risco, internadas na Unidade de Terapia Intensiva – UTI neonatal do HB, em Porto Velho.

Depois da coleta, esse alimento que salva vidas é levado para o Banco de Leite Humano Santa Ágata – BLH. Lá o leite é processado e passa por um controle rigoroso de qualidade para depois ser distribuído para bebês prematuros e com baixo peso internados na UTI neonatal do Hospital de Base – HB, em Porto Velho.

Além de ser responsável pela captação e processamento do leite humano doado, o BLH é encarregado por ações de promoção, incentivo e proteção do aleitamento materno, por meio da assistência às mães que apresentam dificuldades no processo de amamentação ou que por alguma razão não produzem leite suficiente para atender às necessidades de seus filhos.

INCENTIVO

O banco de Leite Santa Ágata faz parte da rede brasileira de Bancos de Leite Humano, que é formada por 224 unidades espalhadas pelo país. Mas é no centro de referência que integra o BLH, que são realizadas todas as ações de apoio, pasteurização e promoção de incentivo ao aleitamento materno. Nos primeiros três meses de 2022 o Banco de Leite Santa Ágata atendeu 5.439 mulheres. Foram coletados 161 litros de leite materno. Só no mês de março deste ano o banco contou com 53 doadoras voluntárias.

A coordenadora do Banco de leite, Edilene Macedo Cordeiro explica que o procedimento para realizar a doação de leite é simples. A mãe deve entrar em contato pelo número 3216-5715. Um formulário online de pré-cadastro é enviado para preenchimento, com isso, o banco de leite avalia o cadastro da voluntária e verifica há quanto tempo a mãe realizou os últimos exames sorológicos que normalmente são feitos no pré-natal. Caso os exames tenham uma validade menor que três meses, a mãe não precisará repeti-los, porém, se ultrapassar o período; os exames poderão ser realizados no Hospital de Base. Os resultados dos exames serão enviados ao banco de leite, o qual realizará a confirmação de doadora.

“As pessoas têm o mito de achar que se doar leite vai faltar para o bebê. Acontece que a mama funciona por estímulo, então quanto mais leite é retirado, mais será produzido para atender à necessidade da criança. Por isso, a maioria das crianças engordam depois que as mães começam a doar, porque a mama foi estimulada a aumentar a produção de leite”, disse Edilene.

ORIENTAÇÃO

A pasteurização do leite materno é feita a 62° que elimina não só o vírus da covid-19, mas também outros vírus

A coordenadora explica ainda que, na primeira visita, a mãe recebe toda a orientação de como coletar e armazenar o leite no congelador e seguindo as orientações, ela vai coletar o leite durante a semana. As doadoras recebem um kit com um frasco de vidro estéril, gorro, máscara e gaze para manter a higienização da mama e fazer a retirada do leite no próprio domicílio, para manter a segurança biológica da coleta do leite. Segundo Edilene um frasco de leite materno já ajuda e é sempre bem-vindo ao estoque.

“Essa mãe que é doadora e seu filho são acompanhados pelas equipes do banco de leite, enfermagem e por uma pediatra. Durante a visita, a técnica de enfermagem responsável pela coleta faz a primeira avaliação, tira as dúvidas, oferece todo o suporte para identificar se existe algum impedimento para a doação”, disse a coordenadora.

SOLIDARIEDADE

Algumas mães conhecem o banco de leite de uma forma diferente. Foi o caso da doadora Bruna Pereira, que soube da opção de doação através da UTI neonatal. O bebê de 13 dias está ganhando peso. “Pediram para que eu viesse retirar leite para o meu bebê e o que sobrasse eu poderia deixar no estoque do banco de leite para outros bebês que precisam. Como só vai a quantidade que a doutora prescreve para o meu bebê e o leite tem validade de 12 horas, não tem como eu deixar estragar, sendo que tem crianças que necessitam, pelo fato de muitas mães não produzirem leite o suficiente. Mesmo depois que o meu bebê receber alta eu vou continuar doando”, destacou.

Para o diretor-geral do Hospital de Base, Rodrigo Bastos, contar com a doação do leite materno fortalece a missão do hospital, que é salvar vidas. “A cada litro de leite doado, são alimentados 10 recém-nascidos que estão internados na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, garantindo assim, maiores chances de recuperação para eles e protegendo contra infecções”, contou.

CONTROLE DE QUALIDADE

De acordo com a coordenadora, a pasteurização do leite garante a eliminação de qualquer contaminação primária e secundária pelo leite. Os estudos mostram que o vírus da covid-19 não é transmitido pelo leite humano, mas qualquer vírus que estiver presente no leite será eliminado. Edilene Macedo Cordeiro, acrescenta que, a pasteurização do leite materno é feita a 62,5°, por um período de 30 minutos, o que é suficiente para eliminar não só o coronavírus, mas também o HTLV I e II, HIV, por exemplo.

BENEFÍCIOS

“A gente tem que pensar que esse leite vai para crianças de alto risco e que tem que chegar até elas com a melhor qualidade possível. É muito bom a gente acompanhar as crianças se desenvolvendo através do nosso trabalho. O leite materno é um fator importante para a sociedade, porque a partir do momento que temos crianças saudáveis a gente tem redução de custos hospitalares, melhor qualidade de vida, considerando que teremos crianças que adoecerão menos”, disse o diretor-geral do Hospital de Base, Rodrigo Bastos .

O diretor-geral enfatiza, ainda que, o impacto da amamentação vai além da contribuição nutricional para as crianças, interferindo positivamente nas condições sociais, psicológicas e ambientais destas. Uma criança que está sendo amamentada no peito não vai fazer uso de fórmula, chupeta, nem mamadeira, com isso, tem-se a redução da produção e descarte de lixo no meio ambiente. Rodrigo Bastos, finaliza, enfatizando quanto à importância da amamentação e do impacto na vida de todos os indivíduos.

No município de Porto Velho existe uma Lei nº 2.609, de 25 de junho de 2019, que isenta a mulher doadora de leite materno do pagamento da taxa na realização de concurso público. Mas para ter direito, a doadora deve ter feito no mínimo 15 doações no período de um ano que antecede o concurso.

O banco de leite Santa Ágata fica localizado na Avenida Governador Jorge Teixeira, n° 3766, no setor Industrial de Porto Velho.
Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem