Cinco cientistas de Rondônia pesquisam melhor tratamento para a covid-19; Governo financia projetos



Porto Velho, RO - O Governo de Rondônia, por meio da Fundação de Amparo ao Desenvolvimento das Ações Científicas e Tecnológicas e à Pesquisa (Fapero), está financiando cinco trabalhos de pesquisa com o objetivo de adotar o melhor tratamento da covid-19 após o diagnóstico do coronavírus (SARS-CoV-2) e suas variantes no Estado. Contemplados pelo Programa de Apoio à Pesquisa (PAP) Universal, quatro projetos são de pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Rondônia e um do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP), que atuam nessa linha de estudos.

Paulo Haddad, presidente da Fapero, destaca que o incentivo à pesquisa traz benefícios para todos os cidadãos.”Com esse trabalho institucional fortalecido pela ciência, o Governo de Rondônia vai adotar o padrão que melhor êxito apresentar no tratamento da covid-19″, garante o presidente.

Segundo o diretor científico da Fapero, professor Andreimar Soares, vários pesquisadores se inscreveram no edital de chamamento da PAP-Covid-19 nº 003/2021, e nesta primeira fase, cinco foram contemplados. Os projetos foram avaliados e são de médicos especialistas e pesquisadores doutores envolvidos com projetos de pesquisa científica, tecnológica e de inovação em saúde, selecionando os quatro melhores.

Ele também ressalta a importância do Instituto de Ciências Biológicas da USP, conhecido por ICB-5, para Rondônia.

“A presença de alta linhagem das pesquisas da Fiocruz e da USP fortalece a pesquisa nesta parte da Amazônia, muito nos honram, possibilitando investir mais nesse campo”, diz Paulo Haddad, presidente da Fapero.

OS PROJETOS

Na Fiocruz, a pesquisadora Deusilene Souza Vieira Vallacqua, analisará a influência do perfil virológico em indivíduos infectados com SARS-CoV-2 no Estado de Rondônia em diferentes estágios da doença.

O pesquisador Gabriel Eduardo Melim Ferreira, na mesma instituição, analisará os efeitos dos fatores genéticos humanos na susceptibilidade à infecção do trato respiratório e severidade da doença pelo coronavírus.

Juan Miguel Villalobos Salcedo, também da Fiocruz, mostrará o Perfil Clínico-epidemiológico das Gestantes do Estado de Rondônia e a Influência da Infecção por SARS-CoV-2 no Desfecho Gestacional, através na Avaliação Imunoistoquímica e Molecular do Tecido de Placenta e/ou Fetos.

Juliana Pavan Zuliani, também contemplada na Fiocruz, fará o Perfil Imunológico de Pacientes com covid-19 no município de Porto Velho.

No ICB-5, o pesquisador Luís Marcelo Aranha Camargo fará o Estudo Clínico (fase III) randomizado de avaliação de protocolos para manejo de casos da covid-19.

ALTA LINHAGEM

O Instituto de Ciências Biológicas da USP, conhecido por ICB-5, trabalha desde 1997 em Monte Negro, município a 248 quilômetros de Porto Velho, sob a coordenação do professor Luís Marcelo Aranha Camargo, médico infectologista. Faz atendimento gratuito em saúde para a população local, de outros municípios de Rondônia, e até de vizinhos, na região Norte.

Além da covid-19, cuja pandemia começou em março de 2020, o instituto cuida da malária, leishmaniose, chagas, hipertensão e diabetes. Um internato e um programa de estágios ajudam na formação de alunos de medicina e a população local é beneficiada com atendimento médico gratuito.

O PAP muito auxilia e é imprescindível para as próximas ações da Secretaria Estadual de Saúde, da Agência Estadual de Vigilância em Saúde, da Fiocruz, Laboratório Central do Estado e demais instituições do setor.

Postar um comentário

0 Comentários